São Paulo, 28 de Novembro de 2014 - 04:46
Contraponto
Contraponto

Programa de Prevenção a Riscos Ambientais X Laudo Técnico de Condições Ambientais

No primeiro semestre deste ano, o SINDHOSP recebeu uma consulta de um associado, questionando sobre a obrigatoriedade de um hospital elaborar o Laudo Técnico de Condições Ambientais no Trabalho (LTCAT), uma vez que no Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais (PPRA) já são identificados e avaliados os riscos químicos, físicos e biológicos.
 
Tal dúvida é comum a muitos prestadores de serviços em saúde, e deve ser esclarecida, já que ambas as obrigações possuem funções distintas e até antagônicas. O PPRA trata-se de um programa, que deve ser alterado ano a ano, com o objetivo de neutralizar ou eliminar os riscos à saúde e segurança do trabalhador. Também é um documento exigido pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Nele a empresa busca comprovar a gestão e o cuidado com seus trabalhadores, demonstrando que não estão em risco.

Já o LTCAT visa justamente o contrário: comprovar para o Ministério da Previdência Social que o trabalhador esteve exposto a agentes nocivos, e que por isso tem direito à aposentadoria especial. O LTCAT pode comprometer a empresa, já que conflita com todas as normas atuais de gestão para cuidar da neutralização ou eliminação de riscos à saúde e segurança do trabalhador.

Portanto, PPRA e LTCAT são documentos exigidos por fiscalizações diferentes, e com finalidades diversas. No primeiro, deve ser comprovado que o trabalhador não está exposto a riscos, e no segundo, a demonstração de que a exposição aos agentes nocivos é tão intensa que deve abreviar o tempo de prestação de serviços do mesmo.

Para detalhamento do tema, segue o Parecer, elaborado pelo departamento Jurídico do SINDHOSP, na íntegra:

"Primeiramente há que se esclarecer que o PPRA é uma exigência prevista na NR 9 – e sua fiscalização é efetuada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, visando a preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais.

Já o LTCAT - Laudo Técnico de Condições Ambientais do Trabalho é exigido pelo Ministério da Previdência Social, com a finalidade do empregado comprovar o trabalho sujeito a condições especiais, durante 25 (vinte e cinco) anos, para fins de concessão da aposentadoria especial.

A aposentadoria especial, segundo a determinação da Lei nº 8213/1991, somente pode ser obtida se o trabalhador comprovar a exposição durante 25 anos aos agentes nocivos unicamente relacionados no  Anexo IV do Decreto nº 3048/1999.

Art. 68. A relação dos agentes nocivos químicos, físicos, biológicos ou associação de agentes prejudiciais à saúde ou à integridade física, considerados para fins de concessão de aposentadoria especial, consta do Anexo IV.

ANEXO IV

CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES NOCIVOS

n  CÓDIGO                                           AGENTE NOCIVO                                           EXPOSIÇÃO

n  1.0.0        AGENTES QUÍMICOS

n  O que determina o direito ao benefício é a exposição do trabalhador ao agente nocivo presente no ambiente de trabalho e no processo produtivo, em nível de concentração superior aos limites de tolerância estabelecidos.

n  O rol de agentes nocivos é exaustivo, enquanto que as atividades listadas, nas quais pode haver a exposição, é exemplificativa.

n  ARSÊNIO E SEUS COMPOSTOS                                                                                                                                                 25 ANOS

n  ASBESTOS                                                                                                                                                                                                      20 ANOS

n  BENZENO E SEUS COMPOSTOS TÓXICOS                                                                                                                               25 ANOS

n  BERÍLIO E SEUS COMPOSTOS TÓXICOS                                                                                                                                  25 ANOS

n  BROMO E SEUS COMPOSTOS TÓXICOS                                                                                                                                   25 ANOS

n  CÁDMIO E SEUS COMPOSTOS TÓXICOS                                                                                                                                  25 ANOS

n  CARVÃO MINERAL E SEUS DERIVADOS                                                                                                                                   25 ANOS

n  CHUMBO E SEUS COMPOSTOS TÓXICOS                                                                                                                                 25 ANOS

n  CLORO E SEUS COMPOSTOS TÓXICOS                                                                                                                                   25 ANOS

n  CROMO E SEUS COMPOSTOS TÓXICOS                                                                                                                                   25 ANOS

n  DISSULFETO DE CARBONO                                                                                                                                                       25 ANOS

n  FÓSFORO E SEUS COMPOSTOS TÓXICOS                                                                                                                               25 ANOS

n  IODO                                                                                                                                                                                            25 ANOS

n  MANGANÊS E SEUS COMPOSTOS                                                                                                                                             25 ANOS

n  MERCÚRIO E SEUS COMPOSTOS                                                                                                                                              25 ANOS

n  NÍQUEL E SEUS COMPOSTOS TÓXICOS                                                                                                                                   25 ANOS

n  PETRÓLEO, XISTO BETUMINOSO, GÁS NATURAL E SEUS DERIVADOS                                                                                                     25 ANOS

n  SÍLICA LIVRE                                                                                                                                                                              25 ANOS

n  CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES NOCIVOS -1.0.0 – AGENTES QUÍMICOSOUTRAS SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS

n  GRUPO I - ESTIRENO; BUTADIENO-ESTIRENO; ACRILONITRILA; 1-3 BUTADIENO; CLOROPRENO; MERCAPTANOS, n-HEXANO, DIISOCIANATO DE TOLUENO (TDI); AMINAS AROMÁTICA                                                                                                                            25 ANOS

n  GRUPO II - AMINAS AROMÁTICAS, AMINOBIFENILA, AURAMINA, AZATIOPRINA, BIS (CLORO METIL) ÉTER, 1-4 BUTANODIOL, DIMETANOSULFONATO (MILERAN), CICLOFOSFAMIDA, CLOROAMBUCIL, DIETILESTIL-BESTROL, ACRONITRILA, NITRONAFTILAMINA 4-DIMETIL-AMINOAZOBENZENO, BENZOPIRENO, BETA-PROPIOLACTONA, BISCLOROETILETER, BISCLOROMETIL, CLOROMETILETER, DIANIZIDINA, DICLOROBENZIDINA, DIETILSULFATO, DIMETILSULFATO, ETILENOAMINA, ETILENOTIUREIA, FENACETINA, IODETO DE METILA, ETILNITROSURÉIAS, METILENO-ORTOCLOROANILINA (MOCA), NITROSAMINA, ORTOTOLUIDINA, OXIME-TALONA, PROCARBAZINA, PROPANOSULTONA, 1-3-BUTADIENO, ÓXIDO DE ETILENO, ESTILBENZENO, DIISOCIANATO DE TOLUENO (TDI), CREOSOTO, 4-AMINODIFENIL, BENZIDINA, BETANAFTILAMINA, ESTIRENO, 1-CLORO-2, 4 - NITRODIFENIL, 3-POXIPRO-PANO                                                                                                                                                                                                                                                                                                              25 ANOS

h) esterilização de materiais cirúrgicos.

n  2.0.0        AGENTES FÍSICOS

n  Exposição acima dos limites de tolerância especificados ou às atividades descritas.

n  RUÍDO                                                                                                                                                                    25 ANOS

n  VIBRAÇÕES                                                                                                                                                          25 ANOS

n  RADIAÇÕES IONIZANTES                                                                                                                                 25 ANOS

n  e) trabalhos realizados com exposição aos raios Alfa, Beta, Gama e X, aos nêutrons e às  substâncias radioativas para fins industriais, terapêuticos e diagnósticos;

n  TEMPERATURAS ANORMAIS                                                                                                                           25 ANOS

n  PRESSÃO ATMOSFÉRICA ANORMAL                                                                                                            25 ANOS

n   

n  3.0.0        AGENTES  BIOLÓGICOS

Exposição aos agentes citados unicamente nas atividades relacionadas.

MICROORGANISMOS E PARASITAS INFECTO-CONTAGIOSOS VIVOS E SUAS TOXINAS  (Redação dada pelo Decreto nº 4.882, de 2003)

n  a) trabalhos em estabelecimentos de saúde em contato com pacientes portadores de doenças infecto-contagiosas ou com manuseio de materiais contaminados;

n  ...

n  c) trabalhos em laboratórios de autópsia, de anatomia e anátomo-histologia;

n                                                                                         25 ANOS

Como se pode observar, para obtenção de aposentadoria especial não basta apenas ser empregado de estabelecimento de serviço de saúde, mas que tenha mantido, o trabalhador, durante 25 anos, contato permanente com os agentes descritos no Anexo IV. Logo, somente os trabalhadores que mantiveram contato permanente com microorganismos e parasitas infecto contagiosos vivos e suas toxinas, ou seja, o contato com paciente portador de doença infectocontagiosas, que não ocorre com todos os trabalhadores do Hospital, pois nem todos estão em contato direto com pacientes portadores de doenças infectocontagiosas.

Art. 65.  Considera-se trabalho permanente, para efeito desta Subseção, aquele que é exercido de forma não ocasional nem intermitente, no qual a exposição do empregado, do trabalhador avulso ou do cooperado ao agente nocivo seja indissociável da produção do bem ou da prestação do serviço.

 

Segundo a INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PRES Nº 45, DE 6 DE AGOSTO DE 2010, no artigo 235, §1º, “os agentes nocivos não arrolados no Anexo IV do RPS não serão considerados para fins de concessão da aposentadoria especial” , o que significa dizer que se o trabalhador for exposto a outros agentes que não aqueles relacionados no Anexo IV, não fará jus a aposentadoria especial, não se utiliza rol com outros agentes biológicos, químicos e físicos que não constem expressamente no mesmo.

Vale destacar que a INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PRES Nº 45, de 6/08/2010, explicita as exigências para concessão de aposentadoria especial, sendo essencial ao trabalhador comprovar que os agentes a que esteve exposto causavam a nocividade, e poderiam ocasionar danos à sua saúde.

Art. 236. Para os fins da análise do benefício de aposentadoria especial, consideram-se:

 I - nocividade: situação combinada ou não de substâncias, energias e demais fatores de riscos reconhecidos, presentes no ambiente de trabalho, capazes de trazer ou ocasionar danos à saúde ou à integridade física do trabalhador; e

II - permanência: trabalho não ocasional nem intermitente, durante quinze, vinte ou vinte cinco anos, no qual a exposição do empregado, do trabalhador avulso ou do cooperado ao agente nocivo seja indissociável da produção do bem ou da prestação do serviço, em decorrência da subordinação jurídica a qual se submete.

O Ministério da Previdência Social analisará no LTCAT, se está devidamente descrito o agente que causa a aposentadoria especial (no caso de agente biológico, o microorganismo vivo e a descrição do local onde o paciente com doença infecto contagiosa se encontra dentro do estabelecimento de serviço de saúde), conforme consta no artigo 247 da INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PRES Nº 45, de 6/08/2010.

Art. 247. Na análise do Laudo Técnico de Condições Ambientais do Trabalho - LTCAT, quando apresentado, deverão ser observados os seguintes aspectos:

I - se individual ou coletivo;

II - identificação da empresa;

III - identificação do setor e da função;

IV - descrição da atividade;

V - identificação de agente nocivo capaz de causar dano à saúde e integridade física, arrolado na Legislação Previdenciária;

VI - localização das possíveis fontes geradoras;

VII - via e periodicidade de exposição ao agente nocivo;

VIII - metodologia e procedimentos de avaliação do agente nocivo;

IX - descrição das medidas de controle existentes;

X - conclusão do LTCAT;

XI - assinatura do médico do trabalho ou engenheiro de segurança; e

XII - data da realização da avaliação ambiental.

 Parágrafo único. O LTCAT deverá ser assinado por engenheiro de segurança do trabalho, com o respectivo número da Anotação de Responsabilidade Técnica - ART junto ao Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura - CREA ou por médico do trabalho, indicando os registros profissionais para ambos.

Conclui-se, portanto, que não havendo setor de atendimento de pacientes com doenças infectocontagiantes no estabelecimento, que realizem trabalho permanente com microorganismos e parasitas infecto contagiosos vivos e suas toxinas, ou de empregados expostos a agentes químicos e físicos relacionados no anexo IV do Decreto nº 3048/1999, não se verifica a necessidade de ser confeccionado o LTCAT.

O PPRA é um documento a ser utilizado na gestão da saúde e segurança do trabalhador, com o objetivo de proteger o mesmo dos riscos químicos, físicos e biológicos. O PPRA tem como função analisar os riscos a que estão os trabalhadores, para que a Empresa possa verificar quais os EPI’s e EPC’s necessários a eliminação ou redução dos riscos. Com base no PPRA analisa-se quais são os EPI’s e EPC’s  eficazes e a quem se destina. Não deve ser levado em consideração a nomenclatura do cargo que a pessoa exerce, mas sim as atividades efetivamente executadas e os meios de proteção para evitar o risco.

 

                         A NR 9, que institui o PPRA, visa que sejam eliminados os riscos à saúde e segurança do trabalhador, enquanto que o LTCAT objetiva demonstrar que o trabalhador esteve durante 25 anos exposto a risco.

9.3.5.2 - O estudo, desenvolvimento e implantação de medidas de proteção coletiva deverão obedecer à seguinte hierarquia:

a) medidas que eliminam ou reduzam a utilização ou a formação de agentes prejudiciais à saúde;

b) medidas que previnam a liberação ou disseminação desses agentes no ambiente de trabalho;

c) medidas que reduzam os níveis ou a concentração desses agentes no ambiente de trabalho.

 

Assim, pode-se afirmar que o objetivo a ser alcançado pela empresa é a eliminação do risco para a saúde e segurança do trabalhador, já que são poucas as situações em que o empregado de estabelecimento de saúde poderá fazer jus à aposentadoria especial, além do que, a falta de gestão da saúde e segurança do trabalhador gera inúmeras penalizações à empresa, seja de ordem:

- fiscal (visita de Auditores do Ministério do Trabalho e Emprego para autuar a empresa por descumprimento de Normas Regulamentadores e CLT);

-  trabalhista (ações com pedido de adicional de insalubridade, dano moral e material);

- previdenciária (aumento do percentual do Seguro Acidente do Trabalho e Fator Acidentário Previdenciário);

- administrativa (Sindicatos de Empregados, Conselhos Regionais, Vigilância Sanitária, etc)

- cível (ação de indenização);

-  penal (responder a empresa por crime de exposição da vida ou da integridade física de alguém – artigo 132 do Código Penal).

Há mais vantagens em proteger a vida do trabalhador através de medidas previstas no PPRA do que confeccionar o LTCAT onde a empresa admite que expos o trabalhador a risco."

Sendo o que tínhamos para o momento, subscrevemo-nos

Atenciosamente,

LUCINÉIA A. NUCCI                                       

Advogada

Fonte: Departamento Jurídico do SINDHOSP
Publicado em 25/10/2013
Compartilhe:
 

SINDHOSP
Rua 24 de Maio, 208, 13º e 14º andares, República - S. Paulo - SP - 01041-000
Tel (11) 3331-1555 | (11) 3224-7171
© 1938 - 2014 - SINDHOSP - Saúde e Filantropia levadas a sério - Todos os direitos reservados